Nenhuma tecnologia é 100% segura. Essa afirmação é especialmente verdadeira para a internet. Redes sociais como Twitter e LinkedIn já passaram por invasões ou ataques bem sérios. O Facebook também: recentemente, o serviço teve que “resetar” as contas de 90 milhões de pessoas.

Quer saber mais sobre invasão de redes sociais e conhecer formas de proteger as suas contas? É o que você verá a partir de agora. Chega mais!

O ataque ao Facebook que atingiu 90 milhões de usuários

Invasão de redes sociais acontece com frequência! Facebook, Twitter e outras já passaram por invasões de privacidade sérias. Saiba mais!

Facebook

No fim de setembro de 2018, cerca de 90 milhões de usuários tentaram acessar o Facebook e não conseguiram, não na primeira tentativa. Para entrar na rede social, eles tiveram que fazer login de novo. Não demorou para o Facebook soltar uma nota explicando o que houve: aquela foi uma medida para evitar que os usuários enfrentassem invasão de privacidade.

Isso porque o Facebook havia sofrido um ataque sofisticado. Hackers invadiram os servidores da companhia explorando uma brecha de segurança na função “Ver Como” da rede social, que permite que você veja como o seu perfil é exibido para outras pessoas.

Invasão de redes sociais acontece com frequência! Facebook, Twitter e outras já passaram por invasões de privacidade sérias. Saiba mais!

Aviso que o Facebook exibiu sobre o ataque.

Já reparou que você não precisa fazer login toda vez que acessa o Facebook por aplicativo ou navegador? Isso é possível porque o serviço guarda seus dados de login em um conjunto de informações chamados token. Pois bem, no ataque, os invasores tiveram acesso a tokens de 50 milhões de contas.

De posse dos tokens, os hackers podem acessar detalhes privados das contas. É uma verdadeira invasão de privacidade! Foi por isso que o Facebook obrigou esses 50 milhões de usuários a fazer um novo login: o procedimento invalida o token anterior e gera um novo. Por precaução, outras 40 milhões de contas na rede social passaram pelo mesmo processo.

Um cuidado que pode ajudar a evitar que seu Facebook (ou Instagram, Twitter, LinkedIn, entre outras redes sociais) seja hackeado é usar celulares mais recentes. Eles têm sistemas operacionais mais atuais e, portanto, são menos suscetíveis a falhas de segurança antigas. Eis algumas opções baratinhas:

Outros casos de invasão de privacidade nas redes sociais

O Facebook não é o único caso de invasão de rede sociais. O Twitter também já passou por problemas do tipo, mais de uma vez. Só para dar um exemplo, 33 milhões de contas dessa rede social tiveram dados como nome de usuário e senha vazados em 2016.

Na ocasião, o Twitter informou que não havia indícios fortes de seus que servidores tinham sido invadidos por hackers. Uma análise apontou que as senhas foram capturadas por vírus instalados nos computadores ou smartphones dos usuários.Mais ou menos na mesma época, o LinkedIn, uma rede social para fins profissionais, teve que avisar nada menos que 167 milhões de usuários de que eles tinham que trocar de senha com urgência: os dados de login dessas contas haviam sido capturados em um ataque ocorrido em 2012, expondo todas essas pessoas a um grande risco de invasão de privacidade.

Invasão de redes sociais acontece com frequência! Facebook, Twitter e outras já passaram por invasões de privacidade sérias. Saiba mais!

LinkedIn

Note que houve um intervalo de quatro anos entre a invasão e o alerta para troca de senha. A razão disso é que o próprio LinkedIn demorou para perceber a extensão desse ataque. E só percebeu porque um grupo externo especializado em segurança descobriu o problema.

Invasão de redes sociais é crime?

Olha, isso depende muito da legislação de cada país, mas, de modo geral, invasão de redes sociais é crime, sim. Às vezes de forma indireta: se um caso de invasão de privacidade resultar em um golpe de estelionato, por exemplo, o invasor pode ser condenado por isso.

No Brasil, o Código Penal já trata como crimes virtuais roubos ou comercialização de dados (como senhas) oriundos de invasão de redes sociais e outros sites. Também existe uma lei geral de proteção de dados pessoais que, quando entrar em vigor, tratará as diversas formas de invasão de privacidade com mais rigor.

Um cuidado que pode diminuir riscos de invasões é evitar o uso de redes sociais e serviços como Google Drive e Microsoft OneDrive a partir de redes Wi-Fi desconhecidas. Para essas circunstâncias, um bom pendrive ou HD externo quebra um galhão:

Como se proteger de invasão de redes sociais?

Como dito no início, nada é 100% seguro, mas alguns cuidados simples podem diminuir bastante as chances de você ser vítima de crimes virtuais. Começa por ter muito cuidado com links que chegam por e-mail, WhatsApp e afins. Eles podem levar a vírus que capturam senhas e outros dados.

Invasão de redes sociais acontece com frequência! Facebook, Twitter e outras já passaram por invasões de privacidade sérias. Saiba mais!

Proteger seu computador ou celular pode ajudar a evitar violação de privacidade

Atualizar o sistema operacional do seu computador (como o Windows) ou usar smartphones mais recentes (dica dada mais acima) também é um bom cuidado para evitar a invasão de redes sociais, pois eles têm softwares mais atuais e, portanto, estão menos sujeitos a brechas de segurança. Pelo mesmo motivo, vale a pena ter um roteador mais atual:

Dicas contra invasão de redes sociais

Outras dicas incluem não criar senhas fáceis, não usar a mesma senha em vários serviços, ativar a verificação em duas etapas quando possível (ou seja, receber um código por SMS ou aplicativo para entrar no serviço) e tomar cuidado com redes Wi-Fi gratuitas (muitas podem capturar os dados do seu dispositivo).

Trocar suas senhas periodicamente, usar antivírus no computador e só instalar softwares ou aplicativos bem avaliados ou conhecidos também ajuda muito na segurança.

Note que esses cuidados vão ajudar a proteger os seus dados, mas quem faz a segurança das redes sociais são as empresas que cuidam delas. Por isso, em caso de problemas com invasões, siga as orientações que forem passadas por elas e, se você for prejudicado de alguma forma, procure as autoridades.

No mais, continue de olho aqui no The Shoppers. Continuamos trazendo assuntos importantes como este e dando as melhores dicas de compras em lojas como AliExpress, Banggood, GearBest, Tomtop, LightInTheBox e JoyBuy.